terça-feira, 20 de novembro de 2012

Odair José e sua Rock Ópera – O lado obscuro do rock brasileiro-Parte 4



O rock brasileiro e seus mistérios do passado, muitas histórias e fatos aconteceram num período, que em minha opinião, é uma das fases mais criativas do rock nacional, a lendária década de 70 e como minha função nessa coluna é desmembrar fatos e mistérios desses anos dourados, chego hoje com mais um dos personagens da MPB, ele, rei do amor, Odair José.
Nos anos 70, Odair José era um dos maiores nomes da música brega, com temas românticos em que muito falavam de tabus, como amar uma prostituta, se apaixonar pela empregada, parar de tomar pílula e uma série de temáticas que o fez ser chamado de “Bob Dylan da Central”, alusão ao cantor Bob Dylan e a famosa estação de trem, Central do Brasil, o tornando um dos grandes vendedores de discos daquele período. Odair era admirado por grandes nomes da MPB como Caetano Veloso, Ney Matogrosso e outros, mas era odiado pela igreja, pois seus temas eram pesados na visão dos poderosos da religião e chegou a ser excomungado, então como resposta a isso, no ano de 1977, ele lança um disco, considerado Cult por muitos e pelo próprio Odair, a primeira opera rock do Brasil, a obra “O filho de José e Maria”, um disco conceitual onde conta a história que vai do nascimento e morte do personagem principal, no qual não tem nome citado, que descobre durante a juventude a felicidade por se tornar homossexual.

O disco é muito bem trabalhado, com um estilo bem diferente ao qual Odair era acostumado a seguir em suas musicas, composições fortes, uma pegada mais rock, e uma voz mais marcante do compositor, porém, o disco vendeu pouco no mercado, muito abaixo do esperado, pois para ele, era algo diferente para cair no gosto de todos, uma obra ambiciosa, mas que no fim, não foi como planejado, a intenção do cantor era atingir outros públicos, mas como ele não era uma unanimidade entre o público rock, não conseguiu o que queria e também não foi bem visto pelo seu público tradicional, pois além do estilo adotado não ser do seus fãs tradicionais também causou polêmica, pois a história, apesar de não citar, procurava mostrar um conto sobre Jesus nos dias de hoje, numa outra visão, ai já viu no que deu, a igreja caiu em cima.
A intenção de Odair ao lançar o disco era poder fazer uma grande turnê com músicos de rock como apoio e com corais masculinos e femininos no suporte, espetáculos em locais de grande porte, quase um “The Wall” brasileiro, mas não foi assim que ocorreu, com a baixa venda dos discos, ele acabou voltando para seu estilo que o consagrou.  Mas hoje em dia, como citei acima, é um disco que se tornou Cult entre os exploradores da música, pois se trata de um momento diferenciado na musica brasileira e na carreira de um cantor que é marcado por um estilo único e que decidiu se aventurar por outros territórios.
Recomendádissimo para uma boa audição e destaque para todas as músicas, abaixo uma das canções do álbum.






2 comentários:

  1. Grande Odair!!! Passei minha infância ouvindo seus discos, era bom demais!!!!

    ResponderExcluir